Estranho Amor

2002

Odisseia musical do cantor/actor iL Maiale Nero pelos mistérios do amor
*espectáculo com tradução instantânea para português

Neste espectáculo músico-teatral iL Maiale Nero canta as venturas e travessões do amor humano.
Como afirma frequentemente: “Somos todos umas coisas que andam sempre a fazer outras coisas das quais nos arrependemos e orgulhamos”.
Músico precursor do movimento de fusão a nível do mundo em geral, especializou-se a tirar da guitarra aquilo que ela não quer . Nos seus raros espectáculos entre conversas com o público e o ajeitar das calças exibe canções em que a líricas extende por um espectro tão alargado de temas, que vão desde o povo, aos seus anseios, ao amor e os seus dois seios.
Nascido no século passado Il Maiale Nero ainda não sabe quando vai morrer.

Sinopse

iL Maiale Nero, fruto estival da queda das fronteiras, estreou em Coimbra um trabalho que vem mastigando nos últimos anos.
Este cantor/actor é considerado, pelos especialistas, um precursor do movimento de fusão a nível mundial: “desde que surgiu houve algo que se fundiu.”
Possuidor de um estilo musical que privilegia o conteúdo das salas onde actua, Il Maiale Nero especializou-se a tirar da guitarra aquilo que ela não quer.
O suporte artificial, como faz questão de salientar, é também um dos meios que utiliza para despejar as suas palavras.
Consciente do desconhecimento que o envolve neste seu primeiro desafio, iL Maiale Nero levanta a ponta da saia e revela o onze inicial com que irá alinhar no café-teatro do TAGV: Lurdes, Borboletas, Mente sã em corpo São, Jejus, Tetelé Fonaré, Falta D’i, Contigo quero mais, Justificação, Tenho a língua ferida, Cowboy e Meti na cabeça que sabia cantar.
A MARIONET adverte que é um espectáculo aconselhado a pessoas com sentido de bom humor.

Ficha Técnica

Concepção global: iL Maiale Nero. Músicas e Letras: iL Maiale Nero. Interpretação: iL Maiale Nero. Produção executiva (em Portugal): MARIONET 2002

fundo